Power - The Victim Of A Old Story

Cecília, você está partindo meu coração
Você está sacudindo a confiança diariamente
Oh Cecília, estou de joelhos
Eu estou te implorando por favor volte para
[Oh Cecilia (Breaking My Heart) - The Vamps]


P.O.V (Seu nome)

Eu podia sentir o cheiro de mofo penetrando cada poro de meu pulmão. Levantei a cabeça tentando ver algo e senti uma forte dor na mesma, voltei a abaixa-la e respirei profundamente. O cheiro daquele local era insuportável, mas assim que meus olhos se acostumaram com toda aquela escuridão eu vi tudo ao meu redor.
Me encontrava amarrada. Um de mus braços estava preso a uma coluna do lado esquerdo e outro preso a outra coluna do lado direita, meus pés estavam presos com um correndo a algo atrás de meu corpo. Me sentia vitima de uma história antiga, como a de Sansão ou a de Hércules, onde ambos haviam sido presos em momentos de distração e presos a colunas fortes, agora só faltava a minha platéia para que eu usasse a minha força para soterrar a todos nós.

Ri de minha própria imaginação e bufei com tamanha idiotice.

Gritei o mais alto que pude esperando alguma ajuda, está ultima que não veio.

"Você vai mofar aqui dentro, (Seu nome)!"

Minha consciência alertou.

E então comecei a tentar me soltar, porém quando parecia que eu estava conseguindo tirar a corrente que se encontrava presa ao meu pulso direita, uma enorme claridade me segou.

- Vejo que você finalmente acordou, (Seu nome)!- falou alguém que eu não conseguia enxergar graças a luz.
- Quem é você?- perguntei tentando vê-lo.
- Nossa! Assim você me ofende, Sweet!- e foi nesse momento que eu não precisei de mais nada para saber de quem se tratava. Sombra!

Contudo, ao contrário de todas as vezes, ele não estava com aquelas roupas pretas de sempre além de estar sem máscara. Fiz o possível para ver seu rosto, mas a luz estava me incomodando.

- Esquece! Sei que está tentando ver meu rosto, mas isso só irá ser possível quando eu quiser e no momento não quero isso.
- Eu ainda vou te matar!- bradei.
- Por causa de seu irmãozinho incherido?- perguntou ele debochando. Eu não respondi.- Se for por isso, (Seu nome). Desista, seu irmão irá pagar pela intromissão dele e não há ninguém no mundo que me fará mudar de ideia.- disse ele firmemente.

O mesmo se aproximou rapidamente e antes que eu fizesse algo, novamente ele me apagou.

P.O.V Harry Styles

Aquela espelunca era realmente enorme. Fomos separados em duplas para fazer uma espécie de verificação na casa, apenas para reconhecer onde estávamos. Para a minha sorte a minha dupla era a Amber que havia se negado de todas as formas a fazer dupla com o Niall.

- Tem certeza de que você não queria estar com o Niall?- perguntei a provocando.
- Tenho!- respondeu ela firmemente me fazendo rir, a mesma me deu um soco leve no braço esquerdo e eu ri mais ainda, dessa vez fazendo com ela me acompanhou.- Larga a mão de ser besta, Hazza! Mas me diga como está o coração com este sumiço da (Seu nome)?- perguntou ela.

No mesmo instante eu parei no meio do corredor.

Eu ainda não havia parado para pensar no assunto e estava em uma briga interna que eu sabia que iria me fazer ficar mais preocupado com a (Seu nome), além de que eu também sabia que em algum momento acabaria me arrependendo de estar mentindo cruelmente para a garota que amo.

Contudo, como eu iria contar a ela sobre algo que eu também desconhecia. No momento, eu só tinha três certezas. 1° Eu não sabia como iria sair daquela encrenca em que fui parar; 2° Eu estava extremamente preocupado com a (Seu nome) e faria de tudo para encontra-la segura.; e 3° Eu a amo mais que a minha própria vida.

- Eu não sei, Amby!- respondi sinceramente.
- Então, por que você a contou sobre a verdade quando teve a chance?- perguntou ela me puxando para voltar a andar.
- Medo! Por puro medo, mas e você?- perguntei e ela me encarou.- Por que não contou a ela o que lhe disse?- perguntei curioso.
- Porque quem deve contar é você, além disse a essa altura do campeonato ela iria me matar por ter mentido.- respondeu ela dando de ombros.
- Na verdade, ela iria se sentir traída, Amby!- respondeu alguém atrás de nós.

Nos viramos bruscamente para a direção daquela voz e eu simplesmente congelei.

P.O.V Zayn Malik

Eu e Niall já havíamos andado todo o segundo andar e não havia pistas de nenhum dos três.

- Estou ficando com fome!- disse Niall chamando a minha atenção.
- Você vive com fome.- falei o provocando.
- Hey! Isso não é de total verdade.- se defendeu o mesmo caindo na minha provocação, acabei rindo e ele me deu um soco.- Idiota!- bradou ele irritado e saiu andando na frente na direção da escada.- O que é isso?- perguntou ele entrando dentro de um dos cômodos, assim que cheguei na porta percebi que nós não havíamos entrado nele. Dei um passo para entrar, mas antes que completasse a ação a porta foi fechada com força na minha frente.

Meu coração acelerou. Comecei a tentar a girar a maçaneta, além de socar a porta na tentativa de abrir a mesma.

- Niall?- chamei.- Niall?- chamei mais alto. Me sentia fraco e começava a entrar em pânico com todo aquele local.- Niall, me responde, porra!- gritei.
- Malik, fica quieto!- ele respondeu baixo do outro lado.
- Você está bem?- perguntei.
- Não! Me tira logo daqui...- gritou ele.
- Vou tirar. Aguenta só um pouco!- disse olhando ao meu redor em busca de algo que me ajudasse a abrir a porta.
- Eu não tenho tempo. Se você estivesse aqui dentro iria entender.- falou ele baixo novamente.
- E o que tem aí dentro?- perguntei assim que encontrei uma espécie de barra de ferro. Caminhei rapidamente até o mesmo e o peguei correndo até a porta.- Niall?- chamei. Encostei a orelha na porta tentando ouvir algo, mas nenhum som foi produzido.- Niall, se estiver atrás da porta se afasta!- gritei novamente.
- Não deveria grita!- disse alguma coisa atrás de mim. Senti minha respiração falhar e todo o meu corpo se arrepiou.- Que foi, Malik? Está com medo?- perguntou a voz sarcasticamente.

Me virei assustado e no instante seguinte, fui nocauteado.


P.O.V Niall Horan

A ultima coisa que me lembro é de Zayn me perguntar algo e no instante seguinte aquele palhaço que enorme que dormia na cama acordar.

Cocei meus olhos e percebi que estava deitado em algo macio. Me sentei assustado e olhei abaixo de meu corpo, onde pude perceber um cama macia.

Olhei incrédulo para aquela cama e me levantei rapidamente, infelizmente me senti tonto e fui ao chão com tudo. Meu corpo estava fraco e minha visão se encontrava turva. Respirei profundamente e fechei os olhos por alguns instantes.

[...]

Abri os olhos e percebi que o lugar onde estava se encontrava em completa escuridão. Tentei me levantar e senti dores diversas pelo corpo, respirei fundo e me deitei de barriga para cima.

Após alguns segundos minha mente clareou e percebi que me encontrava desorientado no mesmo chão em que havia caído. Com calma me sentei e esperei, logo depois me levantei ficando em pé e esperando um pouco.

Caminhei apressadamente até a porta daquele comodo, coloquei a mão na maçaneta e para o meu alivio a porta se abriu assim que girei a maçaneta. Saí do quarto e fiquei desorientado por alguns segundos, apenas me acostumando com a luz do corredor. Quando meus olhos se acostumaram com a claridade, saí correndo pelo corredor em direção a sala principal daquele local.

Assim que coloquei meus pés na sala, fui surpreendi por alguém que me levou direto de encontro com o chão, soltei um gemido de dor e fechei os olhos por reflexo.

- Niall? É você, dude?- perguntou alguém que estava perto.
- Não!- respondi com dificuldade.- Dá para sair de cima ou está difícil?- perguntei ficando irritado.
- Desculpa cara!- falou a pessoa saindo de cima de meu corpo dolorido.

Me levantei com dificuldade e neguei a ajuda de todos ao meu redor. Caminhei lentamente até o sofá onde me joguei de bruços, mas no momento em que meu corpo entrou em contato com aquele objeto macio, ao invés de me sentir melhor, só senti dor.

- Deixa eu te examinar!- falou alguém me fazendo abrir os olhos instantaneamente. Respirei aliviado ao ver Rebecca ao meu lado com um olhar preocupado, assenti positivamente.- Deita com a barriga para cima por favor?- pediu ela e eu atendi ao seu pedido com dificuldade.

Ela começou a apertar algumas costelas fazendo com que eu sentisse dor e acabasse demonstrando isso. Fiz alguma careta e gemi.

- Desculpa!- pediu ela continuando seu exame.

Ela continuou a pressionar alguns ossos e além das costelas senti dor no braço direito.

- Bom, você fraturou algumas costelas e provavelmente quebrou o braço direito, Niall!- disse ela preocupada, não sabia o que fazer então apenas sorri fraco.
- Obrigado... por me examinar!- agradeci.
- Becky o que faremos?- perguntou Ella. Da onde essa garota saiu? Eu não lembro de vê-la ao lado da Becky.- Foi mal te assustar, Niall!- disse ela divertido. Acabei rindo e sentindo mais dor.
- Ai!- gemi.
- O que aconteceu com você?- perguntou Louis seriamente. Nunca tinha visto meu amigo tão sério e se isso estava acontecendo, então algo devia estar acontecendo.
- Cadê o Zayn?- perguntei me sentando de prontidão e esquecendo a dor.

Ninguém me respondeu apenas ficaram trocando olhares.

- Cadê o Zayn?- refiz a pergunta.
- Escuta! Você tem que ficar calmo...- disse Harry.
- Vamos todos juntos achar alguma saída para esse problema.- falou Liam, revirei os olhos e encarei Amber, esperando que ela me respondesse.
- Precisamos que você se recupere antes de qualquer coisa.- disse Henry.

Foi nesse momento que senti meu sangue queimar.

- Vou perguntar de novo!- avisei fechando os olhos por alguns segundos e retornando a abri-los encarando Amby.- Cadê o Zayn?
- Ele sumiu!- respondeu Amber depois de muito relutar.

P.O.V Victoria Briggs

Abri meus olhos lentamente e ainda com visão distorcido pude ver que estava sendo arrastada para algum lugar.

Fechei os olhos por um instante e fiz força para abri-los novamente. Dessa vez não estava sendo arrastada, alguém estava me amarrando a uma cadeira na frente de alguém preso em uma coluna.

A pessoa que me amarrou saiu da sala e fechou a porta atrás de si.

Forcei a minha vista até que a mesma se acostumasse com aquele ambiente.Voltei a olhar a pessoa presa e quando a vi reprimi um gripo de horror.

Me desesperei ao perceber que a (Seu nome) estava presa de um forma tão desumana quanto aquele jeito, coberta de sangue e desacordada.

Rapidamente comecei a mexer meus pulsos, na esperança de fazer igual aos filmes e conseguir me soltar. Porém aquilo estava apenas machucando a região em que aquela corda estava amarrada, parei por algum tempo até ter força de vontade para realizar todo aquele processo novamente.

Eu podia sentir que estava quase lá... faltava pouco para que eu me soltasse e fosse até a minha amiga. Contudo, a porta foi aberta bruscamente, fazendo com que eu me assustasse.

Novamente aquela pessoa entrou naquele comodo, entretanto ele trazia algo consigo. Observei melhor e vi que não era algo, mas sim alguém. E para piorar tudo eu conhecia muito bem esse alguém.

Lá estava Zayn sendo arrastado desacordado por aquele ser maligno. Não sei em que momento comecei realmente a chorar, mas pude sentir as grossas lágrimas rolarem livremente pelo meu rosto.

Quem visse de fora não acreditaria naquela cena, afinal Victoria Briggs não chorava e nem era facilmente abatida, porém ninguém me conhecia verdadeiramente. A culpa era minha por essa situação! Se eu saísse um pouco da defensiva, poderia fazer com que todos vissem que eu tenho coração... que eu tenho sentimentos. E que assim como todos, eu choro, sorriu, amo, odeio, sinto, vivo, me machuco, sangro e que eu também morro.

Chorei em silêncio por um bom tempo, pois nem vi em que momento aquele ser amarrou Zayn e saiu da sala.

Meus olhos não demoraram a pesar e logo eu os fechei, me rendendo a solidão.

[...]

Ouvi alguém me chamar baixinho e por instinto abri meus olhos a procura de quem havia me chamado. Olhei na direção de (Seu nome) e ela continuava apagada, respirei fundo e vi Zayn me encarando preocupado.

- Você está bem?- perguntamos juntos, sorrimos um para o outro.

Voltei a encarar minha amiga e suspirei.

- Nós vamos tirá-la dali, (Seu nome), Vick!- disse Zayn roucamente fazendo com que eu me arrepiasse. Olhei em sua direção e assenti positivamente, enganando ao meu ser de que toda a sensação ruim que eu sentia do final dessa história não passava de uma paranoia de minha mente.
- Só espero que ela fique bem...- falei para mim mesma, mas ele ouviu.
- Do que está falando?- perguntou ele preocupado.
- Tudo isso não irá acabar bem e ela será a maior vitima, Zaz!- lhe respondi calmamente voltando a usar a razão.
- Não será só ela a única atingida, Vick.- rebateu ele.
- Eu sei que não, mas ela será a maior atingida e você sabe que é verdade.- rebati o encarando.
- Ela só precisa saber que estaremos aqui para ajuda-la!- falou ele depois de um tempo em silêncio.

Concordei com ele mentalmente.

[...]

Aquele cara havia voltado trazendo comida consigo. Chegou ao meu lado e com calma me alimentou.

Comi sem recusar, pois precisa estar forte para lutar caso fosse necessário. Para ajudar eu não conseguia usar meu poderes caso contrário já estaria, juntamente com os outros, longe daqui.

Acabei me assustando ao ver que (Seu nome) estava se mexendo lentamente. Ela ficou um tempo encarando o chão e assim que levantou seu olhar ficou surpresa, ela suspirou fundo e não disse nada, voltando a abaixar a sua cabeça.

- Hey!- chamei-a. A mesma me encarou por pouco tempo.- Eu sei o que você está pensando e a resposta é não.
- Não é culpa sua, (Seu nome)!- falou Zayn.

Ela nos encarou incrédula.

- Não é minha culpa?- perguntou ela.
- Não, não é!- respondeu Zayn convicto.
- Eu posso ver através de vocês e vejo vocês me acusarem de estar nesta situação, eu já passei por isso antes, então não finjam algo.- falou ela séria, dessa vez ela não abaixou a cabeça.
- Sim, eu te culpe por uma única coisa, idiota!- disse irritada. Ela me olhou nos olhos esperando que eu continuasse.- Só te culpo por não ter confiado em mim!- falei magoada.

Ela deu um sorriso fraco e voltou a abaixar a cabeça.

- Psiu!- chamou Zayn, ela o olhou sorrindo.- Eu estarei aqui por você sempre, cabeça dura! Amigos para sempre, lembra?- perguntou ele com um lindo sorriso no rosto.
- Obrigada, Zaz!- agradeceu ela.- E desculpa, Vick!- pediu ela me olhando.
- Eu sempre desculpo...- falei fingindo estar cansada.

Ela riu e logo nós três riamos descontroladamente. Porém tão logo quanto essa felicidade veio ela se foi, lágrimas grossas começaram a rolar pelo rosto de (Seu nome), fazendo com eu chorasse junto, dei uma olhada em Zayn e o mesmo também chorava.

Nosso momento melancolia foi quebrado, assim que o causador de toda a nossa desgraça entrou naquele comodo rindo descontroladamente.

- Vocês são patéticos!- disse ele.
- E você é o quê?- perguntou (Seu nome) o desafiando.
- Ainda ousa me desafiar, sweet?- perguntou ele.

Ambos ficaram se encarando, até que ele riu escandalosamente.

- Eu ainda vou te matar e você sabe disso, certo?- perguntou ela com uma expressão maleficamente,
- (Seu nome) o dia em que você se torna fria e calculista como eu será o mesmo em que talvez, mas só talvez, você tenha alguma chance contra mim.- disse ele. No mesmo momento senti meu corpo se arrepiar.
- Não seja tão precipitado!- falou ela com um sorriso debochado no rosto.
- Graças a sua petulância eu terei de agir novamente, mas resta saber quem: será a minha próxima vitima?- perguntou ele retoricamente. Pude ver que toda a confiança que (Seu nome) tentava passar havia sumido, dando lugar ao medo.
- Não fala isso!- pediu ela.
- Já fiz!- depois que ele disse se retirou da sala, batendo a porta com força.
- O que foi que eu fiz?- perguntou (Seu nome) distantemente.








Capitulo Anterior                                                                                        Próximo Capítulo

Nenhum comentário:

Postar um comentário